Vamos falar de menopausa?

Postada em 12 de junho de 2020.

Todo mundo já ouviu falar do assunto – aliás, até temido por algumas mulheres -, mas pouca gente sabe a real definição da Menopausa, que nada mais é do que o dia em que ocorre a parada da menstruação na vida de uma mulher. Isso mesmo, é apenas uma data: a data da última vez que sua menstruação veio espontaneamente, sem o auxílio de nenhum método hormonal. Este evento marca o início de uma nova fase da vida da mulher e vamos falar um pouco aqui neste momento.

Transição à menopausa 

A menopausa define a transição do período reprodutivo da vida (quando a mulher  pode gestar) para o período não reprodutivo (quando ela perde a capacidade de gestar espontaneamente). 

Muitos acreditam que quem tem menopausa são apenas aquelas que possuem sintomas. Todavia, todas as mulheres passarão pela menopausa algum dia. O que pode variar é a idade que isso acontece – a idade média da data da última menstruação da população feminina brasileira é de 48 anos. Continuar menstruando além deste tempo (desde que tenha fluxo regular) não implica em grandes preocupações, pois depende da história genética da pessoa. Porém, mulheres que o fazem muito precocemente (param de menstruar antes dos 40 anos) merecem atenção, tendo em vista a repercussão da falta de hormônios em idade jovem.

Ovários, útero e a transição menopausal

Mais importante do que prestar atenção na data do último fluxo menstrual da vida é saber o período que compreende este marco. Esta transição do período reprodutivo para o não reprodutivo envolvem alguns anos e nos mostram apenas a falência dos ovários daquela pessoa. 

Vamos tentar sermos mais claros: ao contrário que muitos pensam, o evento da menopausa é um marco ovariano, e não do útero. A principal função dos ovários é a produção de óvulos (para gestações) e produção de hormônios femininos. Eles têm uma vida útil típica: começa sua atividade na puberdade feminina, ficam ativos durante todos os meses (a marca disso são os ciclos menstruais e seus sintomas) e quando se aproximam da data da menopausa começam a reduzir aos poucos (a cada dia que passa) sua função, culminando em sua falência. Este período em que os ovários começam a diminuir a sua função, ou seja, começam a não ovular todo o mês e diminuem a cada dia sua produção hormonal é chamado de Transição Menopausal. 

A Transição Menopausal tem duração variável e ocorre diferentemente em cada mulher.  Umas fazem mais rápido, outras demoram mais, outras ainda o fazem subitamente (cirurgias de retirada dos ovários). É aí que podem aparecer os famosos sintomas e algumas mulheres “passam a sofrer da menopausa”.

Saber que uma mulher se encontra na Transição Menopausal é fundamental para se alertar a um novo período da vida feminina. É o momento de ficarmos mais atentos, pois o corpo da mulher se comporta diferente. Temos padrões de fluxo menstrual alterados, temos aumento da incidência de doenças crônicas como: diabetes, hipertensão, colesterol alterado, tumores e osteoporose. Ligamos o sinal amarelo para a depressão, que se apresenta bastante aqui. 

O papel do ginecologista

Para nós, ginecologistas, cabe a função de orientar, oferecer uma mudança no estilo de vida da paciente e fazer o diagnóstico precoce. Mas, para isso, é necessário que a mulher mantenha uma rotina de consultas (visite o seu serviço de saúde regularmente) e pratique o autoconhecimento – quanto mais você se conhecer, mais fácil e rápido será o diagnóstico.