Pressão alta na gravidez: o que você precisa saber!

Postada em 2 de setembro de 2020.

Antes de começarmos a falar sobre pressão alta na gravidez, pedimos que as gestantes tenham calma. Sim, é possível parir mesmo após o diagnóstico de pressão alta na gravidez!

O Ministério da Saúde (MS) aponta a pressão alta na gravidez como a maior causa de morte materna no país, sendo responsável por cerca de 35% dos óbitos. Uma taxa de 140 – 160 mortes maternas/100.000 nascidos vivos de hipertensas e uma taxa de mortalidade perinatal de 150/1000 partos. Quando considerados os diagnósticos de prematuridade, sofrimento fetal e restrição de crescimento fetal, a hipertensão está assinalada como a maior causa dos óbitos fetal ou do recém-nascido (RN). 

Daí a necessidade de acompanhamento e cuidado com profissionais competentes!

Entenda as classificações

O diagnóstico de pressão alta na gravidez é feito quando os níveis de pressão da gestante são iguais ou superiores a 140/90 mmHg.

Ainda, segundo o Ministério da Saúde, a Síndrome Hipertensiva da Gestação pode ser classificada em cinco formas distintas:

1) Hipertensão gestacional quando a manifestação ocorre após a 20ª semana de gestação sem a presença de proteína na urina;

2) Pré eclâmpsia quando a hipertensão arterial surge após 20 semanas de gestação e associada à presença de proteínas na urina (≥ 0,3g de proteína em 24h, por exemplo);

3) Hipertensão arterial crônica de qualquer etiologia quando identificada antes da gestação ou antes de 20 semanas de gestação;

4) Pré-eclâmpsia sobreposta à hipertensão crônica** a paciente, previamente hipertensa, desenvolveu proteinúria após 20 semanas de gestação;

5) Eclâmpsia: quadro convulsivo associado à pressão arterial elevada (episódio catastrófico).

Pré-natal reduz mortalidade 

Um pré-natal rigoroso é a ÚNICA maneira de reduzir a mortalidade materna e perinatal. É por meio das consultas e exames que o médico realiza o diagnóstico e tratamento da pressão alta na gravidez. O intuito sempre será a condução da gestação até o período mais seguro possível, evitando a prematuridade desnecessária e resguardando a vida materna. 

A questão do parto é outro ponto cheio de dúvidas… Cada caso é um caso! Para nós, é possível um parto tranquilo, do jeito que a mulher quer, com protagonismo feminino, mesmo a gestante tendo hipertensão. Não precisa ter medo. Tudo sempre será analisado e conversado individualmente com cada gestante.

Leve seu pré-natal a sério: ele é importante para você e seu bebê!